15
ago
08

Egoísmo ou altruísmo?

Há poucos dias, uma amiga levantou uma dúvida e conseqüentemente uma hipótese sobre este blog. E como sempre levo a sério todas as críticas, pensei um pouco a respeito. Ela primeiro me perguntou: “Pra que você fez esse blog?” E em seguida afirmou: “Foi para você fazer publicidade própria, se mostrar”. Eu me defendi, argumentei e concluí que não concordava.

Posteriormente, me peguei pensando a respeito daquela afirmação e comecei a replicá-la para outros aspectos de minha “militância”. Vou explicar um pouco melhor essa “militância”. MILITÂNCIA = ECOCHATO + POLITICAMENTE CORRETO + POLICARPO QUARESMA + CURIOSO e, mais algumas coisas que não lembro agora. Se acredito que alguma coisa é boa, é melhor que outra, faço questão de divulgá-la. Mas, neste mundo pós-moderno em que vivemos, todos estão preocupados primeiro com o próprio umbigo, segundo com o próprio umbigo, terceiro com o próprio umbigo… enfim, o importante é o “EU”. O individualismo é dominante, e assim, poucos se propõem a ouvir algo que tem o propósito de ajudar o próximo, os outros ou o próprio mundo.

Este blog é um desdobramento dessa militância. Mas até que ponto é só isso? Será que não quero me auto-promover? Quando você era criança e tirou sua primeira nota 10, qual foi sua reação imediata? Correr para mostrar aos seus pais. O gozo do reconhecimento por um trabalho realizado é justo. Um provérbio chinês, explica que devemos priorizar a premiação das boas ações ao invés de priorizar o castigo pelas más ações. É óbvio que ao divulgar o que eu defendo, posso ser parabenizado, mas também posso ser criticado. Por mais que possa haver uma busca por reconhecimento, definitivamente, esse não foi o motivo da criação do blog.

Voltemos á pergunta que não quer calar: Para que serve esse blog? Resposta: Para conscientizar as pessoas e blá, blá, blá. Mas pra que isso? Por altruísmo… Altruísmo? … (tempo para reflexão) … Altruísmo! Eu milito porque quero o bem do próximo, o bem do meu bairro, do meu país e do mundo! Esse discurso é simples, piegas e ordinariamente aceitável. Mas por que alguém zelaria por um desconhecido? Eu não fico com a consciência tranqüila enquanto sei que existe alguém na miséria. Fácil, respondi! Você percebeu algo de estranho nessa frase? Pois é, a consciência… Então, se eu milito com a intenção de ajudar o outro, para ficar com a consciência tranqüila, isso não é altruísmo, é egoísmo! Como assim?! Egoísmo?! Isso, egoísmo.

Por que egoísmo? Egoísmo porque eu quero o bem do próximo para ficar com a minha consciência tranqüila. O que está em jogo é o meu bem-estar, minha satisfação. Então, tudo que faço em detrimento do meu bem-estar acreditando que estou ajudando o outro, na verdade faço por uma satisfação pessoal. Qualquer “sacrifício” meu, é masoquista! Será que eu não busco o bem comum como um valor em si?!

Enfim, ou eu sou um cara realmente altruísta e esse texto é reflexivo, ou sou egoísta e tudo que faço é para minha própria satisfação, inclusive esse post. Assim, até ajudar uma senhora de idade a atravessar uma rua pode ser um ato egoísta. Egoísmo e altruísmo, apesar de antônimos, não fazem diferença! Podemos atingir o bem, tanto por um, quanto por outro! Então o importante não é saber o porquê, mas praticar o bem. Me conforto com a certeza de estar procurando o bem, seja por egoísmo, seja por altruísmo. Pronto, agora estou com a consciência tranqüila novamente!


Creative Commons License

“Egoísmo ou altruísmo?” por
Gutemberg Motta é licenciado sob
Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil License.

Anúncios

7 Responses to “Egoísmo ou altruísmo?”


  1. 1 Tífani
    15/08/2008 às 16:30

    Post bem a sua cara…

  2. 2 Ane
    15/08/2008 às 16:45

    Caríssimo, estou surpresa com sua capacidade de desmistificar o raciocínio humano( em especial de uma mulher…ops…na verdade não, na verdade não deveria, você é o cara que tem o maior número de amigas mulheres que já conheci…e sobre isso, você bem sabe, larariralá)
    A despeito de gostar muito de suas contribuições aos debates no nosso setor, eu devo afirmar que sua fala e sua escrita, ainda assim, para mim, não correspondem exatamente ao que você realmente é.
    E aí está na verdade o cerne da minha crítica…agora se você realmente acha que “egoísmo e altruísmo, apesar de antônimos, não fazem diferenças”, você é realmente masoquista ou então, no mínimo, gosta de fazer rima com as suas palavras.
    Para encerrar meu breve comentário, gostaria de lembrá-lo que quando questionado, você me respondeu que na verdade o blog servia de uma ferramenta e um estímulo para você escrever melhor, lembra-se? Bom, acho que alguém que realmente busca este objetivo procura outras formas para concretizá-lo, pois o blog te expõe: podendo levá-lo ao gozo de um reconhecimento ( e não me venha falar que é pessoal ) ou então ao ridículo.
    Você realmente quer passar por isso? Aprender a escrever melhor tendo como leitores…qualquer um?
    Pedagogos dizem que a melhor forma de aprender a escrever na verdade se liga ao hábito de ler…fica minha sugestão!
    Afinal: todos que entenderam a discussão concordam comigo que quem realmente pretende aprender a escrever o fará de outra forma que não essa? E convenhamos, nosso amigo escreve direitinho…rs!

  3. 3 gutembergmotta
    15/08/2008 às 18:01

    Minha caríssima amiga, fico muito feliz em contar com sua leitura e crítica por aqui. Em primeiro lugar gostaria de ratificar sua afirmação, realmente me dou bem com as mulheres.
    Segundo, nunca alguém representará a si próprio como realmente é, pois nenhuma essência pode ser representada como a essência em si. Além de criarmos máscaras socias através de nossas relações sociais, também nos comunicamos com personagens, pois você fala com a pessoa que você acha que eu sou, e eu falo com a pessoa que eu penso que você é, esse exercício imaginativo nunca será réplica da essência.
    Quando conversamos a respeito do blog, eu citei que o fato de estar escrevendo também seria benéfico, ao desenvolver minha escrita, um motivo a mais para ter um blog. Já a respeito da leitura, pode ficar tranqüila pois sigo seu conselho, mesmo antes de você ter me dado.
    Bjs

  4. 4 Ane
    15/08/2008 às 18:12

    Caríssimo…seu segundo parágrafo é digno de qualquer aulinha de introdução à Filosofia, e como vc bem sabe, não precisava estar tentando me ensinar tal coisa(ops, esqueci, na verdade vc está colocando para fora seu lado egoísta de ser…isso sim é essência!)
    Quanto ao meu conselho, na verdade foi uma sugestão para que vc pensasse outra justificativa para meu questionamento, como você preferiu lançar um olhar arrogante sobre ele…só posso lamentar…na verdade, acho que vc se sentiu traído pela sua própria memória, pois essa sim, foi a resposta que ouvi e que não consta no seu fabuloso blog!

  5. 5 gutembergmotta
    15/08/2008 às 19:03

    Fico triste com suas conclusões… Você comentou e pediu para que eu não levasse para o lado pessoal, mas creio que você levou. O tom agressivo utilizado foi desnecessário.
    Bjs

  6. 6 Eduardo
    15/08/2008 às 19:31

    A julgar pelas diversas “caras” que o autor do Blog apresenta, podemos deduzir que talvez tenha diversos discursos, algumas vezes antagônicos, somente espero que não casuistas.

    Esse seu nacionalimo exacerbado chega perto do deboche. Chego às vezes a pensar que a temporada de residência nos isteitis serviu como um laboratório para a formação de uma personalidade cada vez mais ambígua.

    Gutemberg, mostra a sua cara… Fala quem tú realmente é… Filhote do Tio Sam ou Policarpo Quaresma??? Egoísta ou altruísta… Em qual das quatro fotos é VOCÊ??? Ou será que existe uma quinta imagem ainda não mostrada???

  7. 19/06/2010 às 20:45

    Quando falamos em ajudar alguém, seja de que forma for, não existe conhecido ou desconhecido, mas um ser humano frágil e com suas limitações. Sendo assim, toda e qualquer informação é sempre bem vindíssima!
    Eu quero conhecer uma pessoa nesse mundo que não queira ser reconhecido por seus atos, e uma outra que tenha uma só face. Eu já me perdi nas diversas faces que existem em mim … rsrs …
    Continue escrevendo, porque sempre irá existir os por ques. E na verdade não importa o “por que” você fez blog e o que escreve nele. O que verdadeiramente importa é que uma das diversas faces de Guto, quer colocar pra fora tudo aquilo que sente, pensa, acredita, enfim … O melhor gozo é aquele que vem de dentro de nós, porque esse sim é o que conhecemos de verdade.

    Paz Profunda!!!


Comments are currently closed.

Categorias


%d blogueiros gostam disto: