25
nov
08

Azul, a cor do amor

Enfim, desisti de desisti de você
Você é uma erva daninha no meu peito
Numa simbiose onde a separação levaria a morte

Lábios de Deus! Quando te beijo o tempo pára
Seus lábios tem o poder de controlar o tempo
E o tempo gosta de quem o desafia, como nós

Você está presente a todo momento
Pois o amor está em todo lugar
Respiro, acordo e vivo na esperança de te ter novamente

Azul é sua cor predileta
O céu é azul
Você é um anjo

Azul é sua cor predileta
O mar é azul
Você é uma sereia

Azul é sua cor predileta
Os rios são azuis
Você é correnteza

Correnteza! Me leva!
Imerso em suas águas
Permita-se amar

A paz é azul claro
A chuva é azul escuro
O amor é azul vermelho

Me traga você e mais nada
Não saberás a diferença entre o sonho e o real
O infinito nos observará desejoso

Creative Commons License
“Azul, a cor do amor” por
Gutemberg Motta é licenciado sob
Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil License.

Anúncios

1 Response to “Azul, a cor do amor”


  1. 19/06/2010 às 19:54

    O amor tem as cores que sonhamos e a realidade que desejamos. Antes afogados no mar de um amor, que em mortos pulmões respirar.
    Lindo poema!
    Paz Profunda!!!
    Georgia Chagas


Comments are currently closed.

Categorias


%d blogueiros gostam disto: