08
dez
08

Enfim, um fim

O sonho não acabou
Ele apenas não existe mais
Não pode acabar algo que nunca começou

Seguir meia-receita é perigoso
Meia-receita nem sempre dá uma meia-solução
Nada é sempre melhor que meio

Quando o mentor descobre a meia-solução
Ele se arrepende de ter dado ela toda
Puro arrependimento tolo

Sem palavras para dizer
Espero por dentro harmonizar
Sentimento de perda transborda

Minha filosofia é peripatética
Estou parado no tempo e no espaço
Não consigo racionalizar

Mundo-onitorrinco, ininteligível
Ou somos burros demais
Ou não existe nada além da matéria
Prefiro acreditar na burrice

Seus lábios secaram
Seu sorriso perdeu o brilho
Por um momento? Por um instante? Não sei…

Não há mais cólera
Começo a acreditar em você
Aliás, estava errado em muitas coisas
Em muitas coisas sobre você

Você é só mais um ser humano
Mudar não é um problema
Mas a mudança é sempre traumática

Não sei o que estou sentindo
Ou porque sinto isso
Só sei que sinto
Sinto muito

Creative Commons License
“Enfim, um fim” por
Gutemberg Motta é licenciado sob
Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil License.

Anúncios


Categorias


%d blogueiros gostam disto: