Archive for the 'Cinema e cultura' Category

13
maio
14

Eu curto, tu curtes, ele curte – Curto Café

curtocafe

Beber café pode ser uma necessidade, uma espécie de folha de coca urbana. Porém, quando apreciamos seus aromas ou degustamos seu amargor, o café é uma arte. Existem aqueles que conseguem juntar a necessidade da cafeína com a capacidade de apreciar um bom café. Outros ainda, vão mais além…

Certa vez li, ouvi ou imaginei uma história que explicava a relação das mulheres com os salões de beleza. Na realidade, essa história é apenas um versão dos fatos muito válida que ajuda a relativizar essa imagem puramente fulgaz.

Aos homens e às mulheres não-adeptas ao salão de beleza: Imaginem um lugar onde você possa falar sobre tudo que você tem vontade, acrescente pessoas queridas que estão ali “somente” para ouvir essas confidências e, ao sair deste lugar, você estará mais bonito(a), informado(a) e auto-confiante.

Para muitas mulheres, esse lugar chama-se salão de beleza, um lugar onde fazer as unhas ou os cabelos é apenas um detalhe. Resumindo, as frequentadoras saem dos salões de beleza como se saíssem de uma bem sucedida sessão de terapia coletiva, o que de fato, é o que acontece. Como é de conhecimento popular, uma ida ao salão de beleza pode renovar a alma de uma mulher!

Mas por que contei essa história? É para lembrar que a primeira vista, nem sempre percebemos o que é o mais importante. E o  Curto Café tem um pouco disso, o excepcional café servido não é o principal. Por favor, me permitam esta viagem; aqui, o café é a moeda que permite as trocas numa rede real de pessoas reais.

Os outros que vão mais além — citados no início no texto –, são os que usufruem do café também como moeda de troca nesta rede viva e intensa.

Devido a dificuldade em continuar usando palavras para contar mais sobre o Curto Café, optei por continuar falando através de imagens. Abaixo, segue um pequeno ensaio fotográfico de 30min no Curto Café, datado de 09/05/2014.

DSC_0888 DSC_0889 DSC_0890 DSC_0892 DSC_0893 DSC_0894 DSC_0895 DSC_0896 DSC_0897 DSC_0898 DSC_0899 DSC_0902 DSC_0903 DSC_0904 DSC_0906 DSC_0907 DSC_0908 DSC_0910 DSC_0912 DSC_0913 DSC_0914 DSC_0916 DSC_0918 DSC_0919 DSC_0920 DSC_0921 DSC_0922 DSC_0923 DSC_0926 DSC_0928 DSC_0929 DSC_0930 DSC_0931 DSC_0934 DSC_0936 DSC_0937 DSC_0939 DSC_0940

DSC_0941

 

 

Creative Commons License

Eu curto, tu curtes, ele curte – Curto Café” por Gutemberg Motta é licenciado sob Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil License.

Eu apoio:

Support Wikipedia tt
16
maio
13

Justiça por Michael J. Sandel

Esse artigo não se propõe a ser uma resenha do livro, não terei essa preocupação. Apenas quero discorrer e comentar um pouco sobre esse livro. O seu autor, professor de Havard, Michael J. Sandel, após lecionar uma disciplina chamada Justiça por alguns anos, escreveu este livro homônimo, de subtítulo “O que é fazer a coisa certa”.

Esses anos de curso possibilitou um livro didaticamente organizado com variados exemplos, consolidando um conteúdo muito rico de forma muito acessível. Ao longo do livro variadas teorias políticas são abordadas, com destaque para o Utilitarismo (Jeremy Betham e John Stuart Mill), a Ideologia Libertária (Milton Friedman e Robert Nozick), o Racionalismo (Immanuel Kant e John Rawls) e a Teoria Teleológica de Aristóteles.

Este livro é uma introdução a ciência política através de um questionamento atual e instigante: “O que é fazer a coisa certa?”. Essa obra extremamente palatável aos mais leigos, é um sucesso do mercado editorial que cumpre uma função educacional importante, primeiro por levar esse conteúdo para um público acadêmico não pertencente as àreas de Humanas e, em segundo lugar, ao levar esse mesmo conteúdo para além da cátedra.

Além das referências já citadas, vários outros autores conhecidos dão o ar da graça no livro. Porém, um grande mérito do livro é um autor não muito conhecido pelo menos por essas bandas tupiniquins, eu mesmo nunca tinha ouvido falar antes: Alasdair MacIntyre, que apresenta um conceito fantástico chamado por ele de “interpretação narrativa” que considera nossas escolhas como condicionadas por nossa jornada, por nossa história individual e coletiva, de uma visão extremamente peculiar.

Na conclusão do livro, o autor ainda defende seu ponto de vista aristotélico, pesando os prós e os contras de toda a discussão moral envolvida. Um grande livro para quem quer enriquecer o debate, bebendo dos excelentes exemplos apresentados e um livro extraordinário para que nunca teve contato com as Ciências Sociais.

Creative Commons License

“Justiça por Michael J. Sandel” por Gutemberg Motta é licenciado sob Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil License.

Eu apoio:

Support Wikipedia tt
19
jun
12

Soneto da Providência

“No Morro da Providência eu entrei

Esperei a primeira vontade passar, esperei, esperei

Esperei a segunda vontade passar, esperei, esperei

A terceira vontade não segurei

Uma foto com a minha cam eu tirei”

(Livremente inspirado no Convento das Carmelitas de Rogério Skylab)

Com todo o deslumbramento desta vista, além da foto ainda tive inspiração para um soneto. Queria poder só falar da beleza da vida, mas essa foto é apenas a introdução de um assunto mais delicado. Hoje os moradores do Morro da Providência estão sendo tratados sem o menor respeito em processos de remoção sem nenhuma participação da comunidade local por conta de uma Copa do Mundo, de uma Olimpíada e de um tal Porto Maravilha… Aliás, não é só o Morro da Providência que passa por este processo, mas todas as regiões que são consideradas de interesse pela especulação imobiliária.

Será que os princípios pelos quais foram criadas a Copa do Mundo e as Olimpíadas são compatíveis com tudo que está acontecendo para recebê-las, no Brasil e principalmente no Rio de Janeiro? A Lei Geral da Copa que está sendo enfiada goela abaixo do Congresso brasileiro, é um regime de exceção sem data certa para terminar. Os investimos que fazemos hoje em estádios são em detrimento do quê? Dos juros da dívida pública tenho certeza que não é, estes são sagrados!

Creative Commons License

“Soneto da Providência” por Gutemberg Motta é licenciado sob Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil License.

Eu apoio:

Support Wikipedia
18
jun
12

Mostra Social em Movimentos RIO+20

De 13 a 17 de junho de 2012 aconteceu uma mostra de cinema na Caixa Cultural, Rio de Janeiro, que há muito eu não presenciava de tal qualidade, sob o título de Social em Movimentos RIO+20. Apesar de um público reduzido, muito em parte pela concorrência com outros eventos paralelos que estão correndo em todo Rio de Janeiro em consequência da RIO+20, a riqueza que estava à disposição da mostra era tão grande que podemos dizer que o evento fez um extremo sucesso para os que presenciaram.

A mostra foi divida em quatro temas: NOSSO CLIMA, NOSSA ÁGUA, NOSSA COMIDA e NOSSO CONSUMO. Alguns dos filmes exibidos são indispensáveis para a conscientização coletiva necessária, a realização de debates também engrandeceu o evento. A reflexão proposta no evento, levou-me a “novas” soluções para velhos problemas e a acreditar cada vez mais que precisamos agir.

Abaixo, faço um “inventário” dos filmes da mostra:

CURTAS:

Bomtempo – Clique aqui para assistir o filme completoAvó Grilo – Clique aqui para assistir o filme completoBartô – Clique aqui para assistir o filme completoCaixa – Clique aqui para assistir o filme completoCalango Lengo – Clique aqui para assistir o filme completoGente Grande – Clique aqui para assistir o filme completo

Escalada – Clique aqui para assistir o filme completo

Mocó Jack – Clique aqui para assistir o filme completo

Tamanduá Bandeira – Clique aqui para assistir o trailer

A terra a gastar – Clique aqui para assistir o filme completo

LONGAS:

Alma – Clique aqui para assistir o filme completoA terra da lua partida – Clique aqui para assistir o trailerPandemonium – Clique aqui para assistir o trailerCoberta de fumaça – Clique aqui para assistir o trailer(Em francês)Água Invisível Clique aqui para assistir o trailerNossos filhos irão nos culpar – Clique aqui para baixar o torrent (Em inglês) / Clique aqui para comprar o DVD (Em inglês) / Clique aqui para assistir o trailer1  / Clique aqui para assistir o trailer2 / Clique aqui para assistir o filme completo

Milho – Clique aqui para assistir o trailer

O veneno está na mesa – Clique aqui para assistir o filme completo  / Clique aqui para assistir o trailer

Comprar, Tirar, Comprar – Clique aqui para assistir o filme completo / Clique aqui para assistir o trailer

2012 – Tempos de mudança – Clique aqui para assitir o filme completo / Clique aqui para assistir o trailer / Clique aqui para comprar o DVD / Clique aqui para baixar o torrent

Alguns comentários sobre alguns filmes que vi:

Alma – Me fez lembrar bastante de “A Carne é fraca“, penso que tirando o aspecto da visão vegetariana largamente abordada em a “A carne é fraca”, este filme é totalmente contemplado no filme  “Alma” que é mais abrangente. Para quem não assistiu nenhum dos dois, os filmes mostram o processo industrial alimentar, desde a criação animal, até chegar a sua mesa, passando pelas etapas mais cruéis deste processo, como os matadouros.

Nossos filhos irão nos culpar – Apresenta um projeto de uma cidade francesa que adere a comida orgânica nas cantinas escolares e mostra todos os desdobramentos desta ação na comunidade. Ponto alto do filme é a música cantada pelo coral da escola, mostra que assim como o software livre, a alimentação orgânica não se esgota em si mesma, mas projeta uma sociedade mais justa.

O veneno está na mesa – Cumpre o seu papel ao apresentar a situação alarmante da agricultura “convencional” no Brasil. Seus perigos e suas consequências que estão intrinsecamente ligadas aos processos dinâmicos da sociedade capitalista atual.

***Comprar, tirar, comprar – Para você que sempre ouviu falar em obsolescência planejada e sempre pensou razoavelmente sobre o assunto, saiba: O assunto é muito mais polêmico do que você possa imaginar! Filme revelador!

***2012 – Tempos de mudança – Esse filme é sui generis! Esse é aquele que só assistindo para entender, basicamente, meu recado é: Assista!

Legenda: *** = Imperdíveis

Creative Commons License

“Mostra Social em Movimentos RIO+20” por Gutemberg Motta é licenciado sob Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil License.

Eu apoio:

Support Wikipedia
30
nov
10

lenovo ideapad s10-3t, ipad, samsung galaxy tab – parte 2

A minha história com o Lenovo Ideapad S10-3t tem uma segunda parte. Pois bem, após um mês de uso, comecei a perceber as limitações desse equipamento híbrido, meio tablet, meio netbook. Tanto o Ubuntu quanto o Windows não estão preparados para ser um sistema operacional de um tablet. A experiencia touch se limitava a uma espécie de mouse e não a uma nova interface como se esperava, nada se adequava ao tamanho da tela, o processamento estava muito aquém da necessidade.

O navegador não é multi-touch e não está preparado para exibir adequadamente as páginas da internet. E aplicativos adequados para este tablet? Nenhum! Comecava a entender o sucesso do IPAD e sua App Store com quase 300 mil aplicativos disponíveis.

Já estava arrependido da aquisição quando descobri que a saída de video VGA não estava funcionando. Levei na loja e depois de alguma demora eles reconheceram o problema e toparam efetuar a devolução do dinheiro, assim por sorte consegui restituir meu investimento depois de ter desistido de continuar a usar o Lenovo S10-3t como uma ferramenta que ele não é, um tablet. A atitude da loja foi correta e adequada, e mais, muito louvável já que poucas lojas cumprem suas obrigações perante seus consumidores ainda hoje. Dessa maneira, deixo aqui essa consideração a respeito da buy4less / pcmall.

Eu quero um tablet e agora? Bem depois dessa experiência, resolvi não errar de novo, e no final de Agosto comprei um IPAD com WiFi, 3G, 64GB, o top do top no mundo, dessa vez eu tive a certeza que estava comprando o melhor, o ideal, um verdadeiro tablet. E realmente seu hardware é poderosíssimo! Como pode um tablet ter um processador melhor que um netbook?! Essa era a impressão! Só pode ser Apple! O acelerômetro é fantástico, jogos com essa nova forma de interagir são viciantes…

Pouco tempo depois, o jornal O GLOBO lançou um aplicativo para leitura no IPAD… O que posso dizer? Magnífico! Estava finalmente no paraíso… Com o dia-a-dia, comecei a me deparar com muitas dificuldades advindas de um sistema operacional fechado, cheio de travas. Só pode fazer isso assim, isso não pode, aquilo também não. Fotos? Músicas? Vídeos? Só pelo Itunes… Itunes? Só pra Mac OS ou Windows… Mas eu uso Linux! Tudo bem, fui eu cheio de boa vontade, instalei o Virtualbox, virtualizei um Windows Vista (Instalei o Vista porque tinha uma licença original), instalei o Itunes e comecei a operar com o Itunes… Mas eu tinha o Windows no trabalho, então iria sincronizar em casa e no trabalho, mas não foi possível, os arquivos que você sincroniza num computador, não podia sincronizar no outro…

Como pode um hardware tão bom, ser ultrajado por um software limitado? Que fique claro que as limitações não são técnicas, são limitações impostas pelo Steve Jobs e seus amigos…  É como você ter um carro de corrida mas só poder usar a primeira marcha… Comecei a rechaçar o IPAD, o IOS, a Apple e tudo aquilo que eles significam… É muita tecnologia a mercê de limitações impostas… Deve ser por isso que o Apple-maníaco só usa produtos da Apple, para as limitações sejam as menores possíveis já que se vive numa redoma de maçã.

Você sabia que alguns hackers ficaram ofendidos com essas limitações e resolveram acabar com elas? Desenvolveram um software que quebra essas limitações, seu nome? Jail Break, que numa tradução livre seria “Quebrar as grades da prisão”. A maioria dos produtos da Apple tem seu Jail Break disponível na internet. Porém, da mesma maneira que quando usamos o Windows pirata incentivamos o seu uso, se utilizamos o Jail Break no IPAD, incentivamos o uso dos produtos da Apple, que agora fazem parte da minha lista negra. Sem chance!

E quando eu já estava desistindo de encontrar vida inteligente no mundo dos tablets, eu descobri que estava pra sair um com sistema operacional Linux Android com um hardware muito potente, era o Samsung Galaxy Tab! O Android é a “versão livre” do IOS da Apple, com um mercado de aplicativos em expansão fenomenal, já são mais que 100 mil aplicativos no Android Market, e se as curvas tendenciais se mantiverem, eu pouquíssimo tempo o Android Market vai passar o App Store em número de aplicativos. De imediato coloquei meu IPAD à venda. A Samsung também lançou um smartphone com tela multi-touch de 4″ e um hardware fantástico, o Samsung Galalaxy S I9000, que foi lançado no Brasil com TV analógica e digital. Ele parece uma miniatura de tablet, assim que eu vender o IPAD, vou comprá-lo e aposentar meu bravo Nokia E51. Imagino que este smartphone da Samsung posse cumprir as funções de um tablet, mas isso é história para um outro post.

Alguém pode se perguntar quais são as funções de um  tablet, o que o diferencia do notebook. Vou tentar simplificar, enquanto o notebook é uma ferramente de trabalho que precisa de robustez (um teclado de verdade por exemplo), o tablet deve ser uma ferramenta de multimídia, sua tarefa é entreter. No tablet estarão seus álbuns de fotos, suas músicas, seus vídeos, seus jogos, seu acesso ao entreterimento na web

*Revisado por João Paulo Rodrigues de Carvalho.

Creative  Commons License
“Lenovo Ideapad S10-3t, iPad, Samsung Galaxy Tab- parte 2” por
Gutemberg Motta é licenciado sob
Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil License.

23
out
10

Tropa de Elite 2

Não me proponho a discutir os aspectos técnicos do filme, sobre sua qualidade ou sobre suas deficiências estéticas. Neste caso, temos um excelente filme com erros e acertos, mas não entrarei neste crivo. Mas qual é o nível de verossimilhança com a realidade deste filme? Qual o projeto? Este filme tem a pretensão de influenciar a realidade? E mais, o cinema (ou a arte) é capaz de mudar a realidade? Pois bem, em entrevista ao Jornal O GLOBO, no dia 19/10/2010, Luiz Eduardo Soares, um dos autores da obra, relata o seguinte:

“Nós dialogamos com a agenda pública de uma maneira que nenhum dos meus trabalhos acadêmicos puderam fazer, por mais que eles tivessem mais elementos que pudessem fundamentar intervenções. O mundo político não se sensibiliza pela razão, mas pela reação popular. Nosso objetivo principal é fazer com que a enorme ignorância sobres os riscos das milícias seja substituída pelo conhecimento e pela preocupação.”

Esse trecho sintetiza muita informação! A afirmação de que o mundo político não se sensibiliza pela razão pode parecer um pouco óbvia, mas não é. No imaginário popular, a razão seria uma das diretrizes do mundo. Também é demonstrada na citação que existe um objetivo com o filme, e passa por influenciar a realidade. Luiz Eduardo Soares afirma que o filme é muito mais eficaz em intervir na realidade que seus estudos acadêmicos, será?

Existe um paradoxo aqui. Se um dos próprios autores afirma que a razão não sensibiliza, por que usá-la didaticamente para explicar o funcionamento das relações demonstradas no filme? Não seria melhor centralizar esforços na tentativa de sensibilizar o expectador? Percebo um filme bem intencionado, mas pouco eficaz (como já poderíamos supor de filme) no seu “objetivo principal”. Como sensibilizar usando a razão?

Tropa de Elite 2 é mais uma prova de que o cinema (ou a arte) não muda nada por si só. Um filme que deve atingir a fenomenal marca de 10 milhões de expectadores (projeção minha), parece que seu impacto social não será proporcional a este número. A arte pode ser usada como uma ferramenta para algum objetivo, e somente como tal, nunca como um “ser com pernas próprias”. O meu receio nesse momento é:  O filme levará a banalização do debate em torno da política e da segurança pública? Será que o efeito pode ser contrário ao objetivado? Tenho certeza que um grupo de pessoas se sensibiliza pela razão e que o filme pode despertar em muitos uma consciência da realidade, mas são muito poucos se comparados aos milhões de expectadores. Se para alguns o filme pode ser elucidativo e indutor, para maioria pode ser simplesmente banalizador. Neste caso o saldo é positivo?

A nossa atual democracia é só mais um sistema de dominação como foi  escravidão, a grande diferença é que ela se preocupa com sua imagem. É um disfarce da realidade, uma ilusão e vive de muita propaganda. O capitalismo tem a incrível capacidade de se apropriar de tudo, foi assim com a democracia, foi assim com o rosto do Che Guevara e será assim com Tropa de Elite 2.

Aliás, por que esse filme não foi lançado antes das Eleições 2010?

Creative    Commons License
“Tropa de elite 2” por
Gutemberg Motta é licenciado sob
Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil License.

09
nov
08

Zeitgeist, o filme – Verdade ou mentira?

O filme se divide em três partes: Cristianismo, 11 de setembro e bancos centrais. Apresenta três teorias de conspirações sem ligação direta entre elas. Alguns fatos são realmente intrigantes e posso dizer que minha percepção sobre o mundo mudou um pouco depois de assistí-lo… Não sei dizer o quanto é verdade de tudo que é dito, e seria necessário um estudo grande para dizê-lo. Se você tem alguma curiosidade a respeito do funcionamento do mundo, vale a pena assistir.

Site oficial do filme: http://www.zeitgeistmovie.com/
Wikipedia: http://pt.wikipedia.org/wiki/Zeitgeist,_o_Filme


Creative Commons License

“Zeitgeist, o filme – Verdade ou mentira?” por
Gutemberg Motta é licenciado sob
Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil License.




Categorias